Ciclo menstrual irregular na quarentena afeta mulheres
O isolamento social tem deixado as mulheres mais estressadas, e isso afeta diretamente a menstruação
Irislayne Tavares e Luana Marino
16 de Outubro de 2020

(Foto: Aaron Amat/Shutterstock)

Sete meses se passaram desde que o Brasil determinou medidas de isolamento social para conter o avanço da pandemia da covid-19, e a quarentena ainda tem mexido com o físico e o emocional de muita gente, sobretudo as mulheres. Um dos primeiros sinais, inclusive, dessa desordem costuma ser a irregularidade do ciclo menstrual.

Mas por que isso acontece? A menstruação aparece quando a menina entra na puberdade e começa a produzir os principais hormônios sexuais femininos (estrógeno e progesterona). A partir desse momento, ela irá ovular uma vez por mês, dando início ao ciclo menstrual, que geralmente dura de 28 a 30 dias — ciclos muito curtos ou muito longos devem ser investigados.

A ginecologista Thaís Zeque explica que as emoções atuam diretamente em nossa produção hormonal, e um cenário de tantas incertezas como o atual provoca nas pessoas uma carga de estresse elevada. 

“Na cascata menstrual, um dos fatores que está diretamente ligado é o estresse. As mulheres estão com alteração do ciclo menstrual porque elas estão com um nível de estresse muito aumentado. E com isso, a gente tem uma influência direta na produção hormonal”, declara a médica.

“Nós estamos passando por um período de estresse mundial, então todas as pessoas estão com algum tipo de medo, algum tipo de dor, algum tipo de perda (seja financeira, seja de um parente querido). Estamos passando por uma pandemia, isso afeta tanto o emocional, como afeta a imunidade. Então, temos uma maior chance de as mulheres, além de pegarem doenças, terem alterações na sua menstruação”, completa. “Estresse, alteração no peso (para mais e para menos), parada de medicamento por conta própria ou necessidade financeira. No estresse, eu englobo uma convivência familiar diferente, falta de dinheiro, medo de ser mandada embora.”

A médica fala que um exame laboratorial, por exemplo, mostraria níveis de estradiol e progesterona alterados. E há outro fator que também influi na produção hormonal: a alimentação, que também sofreu mudanças durante a quarentena. É comum a pessoa comer menos ou ao contrário, compulsivamente, como forma de aliviar a tensão que sente. 

“A alimentação das pessoas está diferente. O colesterol precisa estar em um nível bom para se produzir hormônio; se o colesterol estiver ruim, a produção de hormônio não será adequada. Todos esses hormônios se iniciam com o colesterol, são eles: estradiol, FSH, LH e progesterona.”

É importante ficar atenta a como tem sido esta mudança. Ciclos menstruais que cessam por um período muito longo e sem suspeita de gravidez devem ser investigados. A médica ainda alerta para o uso de alternativas naturais, como chás, para ajudar no sangramento. “Alguns chás são muito importantes para a gente, já outros atrapalham. Não pode.”

 

Dúvidas, sugestões e reclamações, entre em contato pelo e-mail redacao@cpimw.com.br.
O Voz Wesleyana é o órgão oficial da Igreja Metodista Wesleyana.
Sede da redação: Rua Venância, 17, Xerém, Duque de Caxias, RJ.
© Todos os direitos reservados. 2020